A Felicidade Parece Distante?

Michélle Costa

Michélle Costa

CRP 06/114121
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A felicidade parece distante porque sempre quero algo a mais…

Surpreendentemente essa frase tem veracidade em cada palavra mas, negamos com todas forças que ela seja real. Porque acreditamos que tudo aquilo que não é para a satisfação pessoal, não deve ser dito e quem dirá pensado. A falta é o alicerce das estruturas do desejo, a angústia de não ter o preterido, seja um relacionamento, um emprego, um status ou bens materiais, inunda o pensamento que investe toda sua energia nesse vazio deixando, assim, de lado o valor que tem o momento que se vive e como se vive. Essa busca constante naquilo que não possui se torna infinita, pois a referência da tal felicidade nunca será alcançada, porque assim que atingir a um objetivo tornará a buscar algo além do que está conquistado.

É preciso reconhecer a falta e aceitar que ela permeará nossos ideais mas o importante é aprender a lidar com ela e assim, diminuir a angústia do vazio e não mais se perceber apenas como um ser faltante e, sim como um sujeito em harmonia nas suas possibilidades, virtudes e defeitos, que está em busca de autoconhecimento, tornando assim, o autor de sua própria história. Pois, a medida que reconhece o desejo no desejo e não no objeto, encontra uma gama de possibilidades de investir o desejo mais consciente, mais real e naquilo que é possível.

É ilusão imaginarmos que tenhamos tudo o que desejamos: “A felicidade, no reduzido sentido em que a reconhecemos como possível, constitui um problema da economia da libido do indivíduo” (Freud). Descobrir de que modo podemos ser felizes é ponderar sobre quanto de satisfação real podemos esperar do mundo exterior, quanta força dispomos para alterar o mundo que nos cerca a fim de adaptá-lo aos nossos desejos adequando nossos desejos a ele.

A terapia trás essas reflexões e questionamentos a cerca dos ideais e desejos criados por cada um, e trazendo a compreensão que é possível viver satisfatoriamente consigo, mesmo sendo um ser faltante.